Paulo Campos

Jornalista e Editor dos cadernos de Turismo do Jornal O Tempo e Pampulha

04/01/2017


Sala de Embarque por Paulo Campos em Natal

Natal (RN) tem uma história diferente de outras capitais do Nordeste por um único motivo: recebeu duas bases militares dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. A capital potiguar era estratégica para os norte-americanos por ser o ponto mais próximo dos continentes europeu e africano. Esse fato modificou para sempre a vida dos moradores da cidade, porque o modo de vida norte-americano foi, aos poucos, penetrando no dia a dia dos potiguares.

De lá para cá, a capital mais ensolarada do Nordeste se modernizou e hoje é referência na atividade turística, com centro histórico preservado, 400 km de praias, rica gastronomia, uma enraizada cultura popular e um povo hospitaleiro. Gaba-se, ainda, de ser a mais segura das capitais nordestinas, de ter o ar e a água mais puros do país.

De Natal, pode-se atingir Pirangi do Norte, que tem o maior cajueiro do mundo, a praia de Genipabu, com seus passeios curiosos de dromedários, a lagoa de Jacumã com seus bares movimentados dentro d’água e esportes de aventura, e o vilarejo de Pipa, descoberto pelos surfistas nos anos 70.

Boa parte dos turistas que visitam o Rio Grande do Norte está em busca do dueto sol e praia. Dentro da capital potiguar, é preciso escolher direito: as melhores praias são a de Ponta Negra e a do Forte. A primeira tem esse nome por causa da areia escura, que escorria das dunas para a praia. A segunda, próximo ao forte e à ponte estaiada, é emoldurada por piscinas naturais.

Conhecida como a Cidade do Sol (o astro nasce por volta das 6h30 e se esconde cedo, por volta das 17h), a maioria desses turistas se hospeda no bairro de Ponta Negra, integrado ao centro pela Via Costeira, uma avenida de 14 km com muitos hotéis. Em Ponta Negra, estão também os melhores restaurantes da cidade, Camarões (www.camaroes.com.br), com suas porções generosas do crustáceo e Mangai (www.mangai.com.br), especializado na culinária regional. Vale ainda dar uma escapada até Lagoa Nova para experimentar as tapiocas e cuscuzes do Casa de Taipa (www.casadetaipa.com.br.

No city tour histórico, deve-se apreciar a mais bela vista da cidade da fortaleza dos Reis Magos, hoje um museu, visitar a igreja do Rosário com missa em latim aos domingos, e o Centro de Turismo às quintas-feiras. Ex-penitenciária e orfanato, com vista panorâmica da cidade até as dunas – vale visita também no fim da tarde –, o espaço promove Forró com Turista, pé de serra com repentistas e emboladores. Enquanto assiste ao show, o visitante degusta a comida local e participa, no final, de uma quadrilha. O passeio em Natal não estará completo se você não conhecer o Parque das Dunas (parquesdasdunas.rn.gov.br), a segunda maior floresta urbana do país.